18 de ago de 2008

Liberem a maconha!


Todos sabem que a liberação da maconha no Brasil é um assunto super polêmico, desejado por uma pequena parte da sociedade, causando discussão aos que discordam.
Eu creio que a liberação da maconha não traria benefícios, mas, que seria melhor (menos ruim, né!) do que anda sendo a proibição, inclusive, penso que a legalização de todos os entorpecentes seria positivo analisando a segurança pública, já que o tráfico seria banido, e com isso a violência e todos os outros malefícios que ocorrem devido ao tráfico teriam um fim.

Pra mim, sensatez e ética é como educação, vem de berço (ao menos deveria vir). Os meus pais me ensinaram o que é certo e errado, o que é ideal e o que é imoral, do mesmo modo que me ensinaram como eu deveria agir e me comportar. Tudo bem que, há filhos que têm pais super educados e sensatos, e mesmo assim fogem da linha, não tirando proveito de nada que lhe foi ensinado, mas os usuários não são mais crianças, sabem muito bem quais os prejuízos e a situação complexa de quem é dependente, sabem inclusive, que pode ser um caminho sem volta...

Mas não é bem neste ponto que quero tocar, o que estou tentando dizer é que, com a liberação da maconha, cabe a cada um decidir o que é melhor pra si, assimilando o que ele vê como ideal pra si mesmo, pois aqueles que não foram bem aconselhados se forem da vontade e/ou índole deles se tornarem um usuário, a proibição não será impedimento algum, já que, quem quer, usa, e olha que nem sempre usa escondido, aliás, cada dia que passa é mais comum ver cenas de usuários em público.

Acredito que a dedicação dos pais influi muito nisso, uma boa conversa familiar evita sérios problemas futuros, digo por mim mesma, os meus pais, meus tios, sempre conversaram, alertaram, nos mostraram os dois caminhos, e felizmente, na nossa família, só tiveram escolhas para o caminho do bem, graças aos bons conselhos que tivemos.

Enfim, mesmo não simpatizando com os entorpecentes, eu sou a favor da legalização da maconha no Brasil, com intuito de melhorar muitos problemas sociais, e quem sabe posteriormente, vivermos com um pouco mais de paz e sossego. E aos futuros usuários que escolherão vivenciar esta situação lastimável, só me resta desejar que percebam a tamanha burrice a tempo de se reabilitar e voltar a viver, e a quem não cair em si, que cometa esse suicídio banal!

2 comentários:

Tânia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tânia disse...

Oi Gi!

Bem, você já conhece minha posição a respeito desse assunto, mas volto a comentar.

Acho que expôs muito bem seu ponto de vista e é por aí mesmo, tudo o que é proibido se torna mais atraente.

Tem razão quando diz que essa é uma escolha de cada pessoa, ainda que seja uma péssima opção.

Se a gente fosse proibir tudo que pode se tornar uma ameaça, então não haveria pontes, porque alguém pode cair ou se jogar delas... Não poderia haver automóveis, porque alguém pode sofrer um acidente ou ser atropelado... Enfim, não há como resguardar completamente as pessoas dos problemas que a vida impõe.

De fato essa é uma questão de formação e a família é fundamental nesse processo.

Um grande beijo!