24 de out de 2008

Mais um ano se vai...


Depois de dias ausente por motivos diversos, estou de volta e à todo vapor, pra expor pensamentos confusos e incertos sobre os últimos tempos...

2008! Um ano e tanto, cheio de alegrias, tristezas, surpresas, e principalmente um ano de muito aprendizado, eu diria que envelheci mentalmente três anos nos últimos meses, isso seria bom, ou ruim!? Se aquele ditado é verdadeiro: ‘há males que vem para o bem’, então eu diria que tô no caminho certo...

Dizem que o tempo voa... e como voa! Parece que foi ontem meu primeiro dia de aula, no qual já chegava chorando, pois sabia que seria ‘deixada’ com aqueles desconhecidos pela mamãe, eu era chorona demais (ainda sou um pouco)! E agora estou aqui, terminando o Ensino Médio, quase 18 anos, quase universitária, cheia de idéias e planos!

Este é um ano super decisivo, apesar de tudo e devido à tudo, o melhor já vivido, que venham outros melhores! Daqui em diante tudo pode acontecer, esses próximos meses irão decidir o que vai ser de mim, o que vai mudar, e o que vai continuar assim, e por mais que certas coisas possam mudar, a essência sempre fica, a parte boa dela (claro) e assim pretendo seguir, tentando melhorar a cada instante, pois o mundo vive em constante mudança, e eu sempre em busca de melhorias, como um pássaro que vôa em busca da liberdade!

Aprendi muito ao longo desses onze meses que passei, vivenciei ótimos momentos, e também dias terríveis, conheci pessoas que nem merecem ser citadas, porém tive o prazer de desfrutar da companhia de pessoas nas quais eu não quero ficar sem, soube valorizar o que realmente merecia valor e abrir mão do que não me fazia tão bem quanto imaginava, aprendi que certas decisões são únicas, persistir em ‘casos perdidos’, como já diz o adjetivo, é perda de tempo, não insista, tente outro ângulo, talvez noutro possa ter melhores resultados.

Aprendi que dar importância a opiniões alheias é privar-se de pensar e agir ao seu modo, seja você, pense como você, e viva como você achar ideal, pois ninguém vai te consolar quando você se frustrar por não ter feito isto, ou dito aquilo, as pessoas adoram recriminar, mas ninguém vai te segurar quando você cair, então, se é pra proteger-se por si só, que aja por si só...

Aprendi que a vida é uma viagem sem volta, portanto, aproveite-a da melhor forma possível, brinque, jogue, ame, beije, estude, brigue, se desculpe, dance, beba, cresça, viva... Desde que não fuja todas as regras da sociedade, não vá parar na delegacia, e não seja despreocupado com os outros e o mundo no qual faz parte, o resto se resolve...

Aprendi também que ainda há muito que aprender, isso é só o início, só o ínicio das nossas vidas, a vida começa agora, o meu mundo começa aqui! O que escolher agora, retornará depois... Tenho sede de viver, aprender e crescer, mas sem esquecer o que é bom, o que me faz bem, as coisas boas que existem em mim, e em quem está a minha volta. Eu vou ser feliz independente do rumo que tomar, pois eu sei o que quero, e sei como chegar lá...

Por mais que o tempo passe, eu vou continuar sendo essa menininha bobinha, chorona, risonha e sempre cheia de gracinhas e piadinhas bobas pra contar, pois esse meu lado cômico eu não quero esquecer jamais, e vá crescer, que eu sempre serei criança...

2 comentários:

Tânia disse...

Gi, minha querida...

Adorei seu texto e, principalmente, sua determinação em se lançar integralmente para as experiências que virão.

É isso mesmo, amadurecer é muito mais que a maravilhosa descoberta do "eu"... É, acima de tudo, a descoberta do "outro". Como tão apropriadamente afirmou Drummond, "aprendi novas formas de amar e tornei outras mais belas".

Talvez amadurecer seja exatamente a confirmação da necessidade de descobrirmos ou inventarmos, por nossa própria sobrevivência, novas formas de amar e agir diante do que a vida coloca no nosso caminho.

Reflita sempre sobre isso: “Você já aprendeu a atravessar paredes? É fácil atravessar paredes, desde que você saiba onde está a porta”. (Roberto Shinyashiki). Não se atravessam paredes com força bruta e atitudes impensadas, mas sim com ponderação, aceitação, paciência, preparo e determinação. Observe atentamente e nunca deixe de encontrar as portas que a conduzirão pra onde quiser ir.

A felicidade está em saber que as portas existem e confiar que se você fizer sua parte, como tem feito tão bem até agora, no momento certo elas sempre se abrirão.

Um grande beijo!

urtiga disse...

haja folego pra ser poeta ein Gi